Vulcão volta a lançar gases e cinzas na Indonésia

Grandes erupções de gases e de cinzas obrigaram, nesta quarta-feira, a evacuação imediata dos cidadãos que moram nas imediações do vulcão Merapi. A retirada acontece um dia após receberem permissão para retornar aos seus lares. "A situação é bem grave e as pessoas correm perigo", afirmou Yousana Siagian, diretor do Centro de Vulcanologia e Controle de Desastres da Indonésia.Uma nuvem de gás cobria uma das aldeias próximas e as cinzas formaram uma camada de dois centímetros de espessura em um outro lugarejo - situado a sete quilômetros da cratera -, informaram as autoridades locais. Cerca de 20 mil pessoas vivem na zona de evacuação obrigatória. Siagian disse que o Merapi arremessou gases quentes até seis quilômetros da cratera - o ponto mais distante desde que foi declarado o alerta máximo, em 13 de maio. O nível de alerta foi reduzido na terça-feira, para a alegria das pessoas que há semanas se abrigavam em acampamentos de evacuados. Porém, a alegria durou pouco. "Estávamos muito felizes de voltar pela manhã, mas enquanto chegamos vimos uma grande nuvem de vapor que se dirigia até nós", disse Egan, morador de um dos lugarejos ameaçados pelo vulcão, enquanto retornava ao acampamento. O vulcão Merapi, um dos mais ativos da Indonésia, expeliu enormes massas de gases quentes e cinzas, juntamente com lava, há mais de um mês.A atividade sísmica diminuiu nos últimos dias, o que permitiu aos moradores que retornassem a seus lares, a suas lavouras e aos seus animais domésticos. Porém, com a piora da atividade vulcânica, a população foi novamente evacuada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.