Walter Sisulu, ativista sul-africano, morre aos 90 anos

Walter Sisulu, um ativista antiapartheid que se tornou um dos principais líderes do Congresso Nacional Africano, morreu hoje. Ele tinha 90 anos. Sisulu estava doente há algum tempo, segundo o CNA. Um membro fundador da Liga da Juventude do CNA, Sisulu, junto com Nelson Mandela e Oliver Tambo, ajudou a convencer o movimento a realizar protestos contra o governo racista de apartheid. Ele foi banido em 1954, detido sem julgamento em 1960 e preso e reprimido pelo governo diversas vezes nos anos seguintes. Sisulu foi sentenciado à prisão perpétua junto com Mandela e outros ativistas da CNA em 1964, e cumpriu cerca de 26 anos de prisão antes de ser libertado, em 1989. Ele foi eleito vice-presidente do partido em 1991, uma posição que manteve até depois da primeira eleição democrática da África do Sul, em 1994.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.