Warren Buffett defende estratégia de redução de custos do 3G Capital

Warren Buffett defendeu a política agressiva de redução de custos adotada pela 3G Capital, fundo multibilionário de investimentos criado por brasileiros, em subsidiárias adquiridas com o apoio da companhia liderada pelo empresário, a Berkshire Hathaway. O discurso de Buffett ocorreu em evento anual da empresa, que acontece neste sábado e também celebra os 50 anos do dirigente na Berkshire.

Estadão Conteúdo

02 de maio de 2015 | 13h49

A uma plateia de investidores, Buffett disse que nunca defendeu as empresas que empregam mais pessoas do que o necessário, logo apoia a decisão do 3G Capital. A Berkshire e o fundo brasileiro se uniram para comprar empresas como a H.J. Heinz e a canadense Tim Hortons. Agora, elas se unem para tentar adquirir a Kraft Foods.

Um dos acionistas presentes no evento questionou a ética do 3G Capital na redução de custos, já que a Berkshire é conhecida por deixar os negócios praticamente intocados após as aquisições. Buffett, por outro lado, disse que o 3G é melhor que a Berkshire em algumas coisas e que novos negócios devem ser feitos no futuro.

Buffett também defendeu a Clayton Homes, subsidiária da Berkshire no ramo imobiliário. Em reportagens recentes, a empresa foi acusado de usar táticas predatórias ao conceder empréstimos, com juros mais altos do que os créditos oferecidos tradicionalmente no setor. Buffett disse que a maior parte das hipotecas permanece sob tutela da empresa, de modo que ela perderia dinheiro se os clientes não conseguissem arcar com as dívidas. Segundo ele, somente 3% dos empréstimos da Clayton Homes passam por calote anualmente. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Warren Buffet3G Capital

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.