Caren Firouz/Reuters
Caren Firouz/Reuters

Washington busca apoio do Brasil para conter iranianos

Para funcionário americano, relações do País com Teerã podem ser úteis

Entrevista com

LISANDRA PARAGUASSU / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2011 | 03h04

BRASÍLIA - O subsecretário de Segurança Internacional e Não Proliferação dos Estados Unidos, Thomas Countryman, esteve na semana passada em Brasília para conversar com o governo brasileiro sobre ações conjuntas no controle de armas químicas, biológicas e nucleares. No entanto, a tentativa do Irã de desenvolver armas nucleares acabou como tema central da visita.

 

Veja também:

NA ÍNTEGRA: O relatório da AIEA (em inglês)

Brasil tende a rejeitar adoção de novas sanções

ESPECIAL: Tambores de guerra no Oriente Médio

ESPECIAL: O programa nuclear do Irã

HOTSITE: A tensão entre Israel e o Irã

Apesar das constantes críticas à relação amistosa que o País desenvolveu com os iranianos, agora Washington crê que essa relação pode ser útil. A seguir, os principais trechos da entrevista ao Estado.

Estado: O Brasil foi muito criticado por Washington pela relação amistosa que construiu com o Irã. O sr. acredita que agora uma condenação ao Irã pelo Brasil terá mais peso?

Thomas Countryman: Sim. O Brasil tem influência e acredito que por isso o Irã tentou construir uma relação mais positiva. Mas o Brasil também tem princípios e tem sido consistente em defendê-los. Se o Irã excedeu qualquer possibilidade de uso pacífico da energia nuclear, eu acredito que o governo brasileiro será coerente com seus princípios. E também acredito que isso terá sim uma influência e um peso para o Irã.

Estado: Por quê? O que mudou?

Thomas Countryman: Eu não estou certo de que alguma coisa realmente mudou, apenas o tempo passou. Decisões que o Irã tomou este ano para buscar o enriquecimento de urânio a 20%, apesar de não ter uma necessidade pacífica para um estoque desse nível, mudaram o quadro. Eu acredito que isso altere a disposição até de países como o Brasil, que querem ajudar o Irã. Mesmo esses não podem estar tão dispostos a aceitar as versões iranianas.

Estado: Após a tentativa frustrada de acordo, novas sanções foram aprovadas, mas não pararam o Irã. Aonde se vai agora?

Thomas Countryman: Continuamos a buscar a maior unidade possível na comunidade internacional, tanto nas pressões diplomáticas quanto nas econômicas, mantendo alguns princípios: não queremos uma ação que resulte em intervenção militar; não aceitamos um resultado em que o Irã obtenha armas nucleares em condições de uso - até porque temos boas razões para acreditar que eles poderiam usá-las efetivamente - e não queremos uma ação militar por parte de mais ninguém. Se mantivermos a pressão é possível fazer com que o Irã mude seus planos.

Estado: Israel já fala em ataques, mesmo antes de uma nova tentativa de negociação...

Thomas Countryman: Eu não posso falar pelos israelenses. Eu posso dizer é que o Irã é o único país no mundo que fala publicamente e repetidamente que outro país deve ser exterminado. E busca hoje uma arma nuclear, o que lhe permitiria cumprir a ameaça. Isso me preocupa mais do que o que os israelenses dizem. Acho que está nas mãos da comunidade internacional alcançar um meio não violento de terminar o programa nuclear do Irã. Se não tivermos essa coragem e se não permanecermos unidos, então, sim, uma nação ou outra vai agir com violência na região.

Mais conteúdo sobre:
Irã Nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.