Washington condena violência no país aliado

WASHINGTON

France Presse, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2010 | 00h00

O Departamento de Estado dos Estados Unidos, P. J. Crowley, afirmou ontem que "deplora" a violência no Quirguistão, mas garantiu que Washington "identifica-se com a preocupação do povo quirguiz com seu futuro".

A secretária de Estado, Hillary Clinton, e o presidente americano, Barack Obama, mantiveram silêncio sobre o Quirguistão.

Dois meses após os atentados de 11 de Setembro, os EUA começaram a operar a base de Manas, no Quirguistão. A instalação dá forte apoio às tropas em ação no Afeganistão.

Nos últimos anos, porém, cresceu a oposição à presença americana. Há cerca de um ano o presidente Kurmanbek Bakiyev defendeu o fechamento de Manas.

Mais recentemente, a oposição exigiu a retirada americana, sob o argumento de que, numa guerra com o Irã, o país estaria na mira dos mísseis iranianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.