Washington e Seul aplaudem condenação à Coreia do Norte

Segundo porta-voz, EUA resistirão nas negociações de seis lados para eliminar programa norte-coreano

Efe,

14 de abril de 2009 | 02h04

Os governos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul demonstraram satisfação com a declaração do Conselho de Segurança da ONU que condenou o lançamento de um foguete da Coreia do Norte. Os países pediram ainda para Pyongyang não elevar a tensão na região.

 

Veja também:

link ONU condena unanimamente Coreia do Norte e pede sanções

linkGilles Lapouge: Coreia do Norte põe em risco sonho de Obama

video Roberto Godoy analisa a tensão entre Coreia e EUA

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

Segundo o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, o presidente está satisfeito com a declaração pois considera que representou uma mensagem clara e de união de que o ato "viola a lei internacional e pode ter sérias consequências para a Coreia do Norte".

 

Gibbs disse ainda que a comunidade internacional se uniu para exigir que a Coreia do Norte abandone a busca por armas de destruição em massa e que se abstenha de "outras provocações".

 

O porta-voz da Casa Branca afirmou que os EUA persistirão nas negociações com Japão, China, Rússia e com as duas Coreias "para conseguir a eliminação verificável do programa de armas nucleares da Coreia do Norte e a redução das tensões na península.

 

"O governo celebra e apoia a declaração presidencial adotada no Conselho de Segurança da ONU sobre o lançamento de um foguete de longo alcance por parte da Coreia do Norte", diz em comunicado o porta-voz da Chancelaria sul-coreana, Moon Tae-young, citado pela agência de notícias local "Yonhap".

 

O porta-voz qualificou como "apropriado" o fato de o Conselho de Segurança condenar o ato norte-coreano como uma contravenção da Resolução 1718, aprovada em 2006, e que ordena a Pyongyang a suspensão de todas as atividades relacionadas ao desenvolvimento de mísseis balísticos.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.