AFP
AFP

Washington pede à Nicarágua que devolva carros doados

Governo americano diz que veículos da polícia foram usados na violenta repressão às manifestações

O Estado de S.Paulo

30 Julho 2018 | 21h16

WASHINGTON - A Casa Branca pediu nesta segunda-feira a devolução dos automóveis que tinham sido doados para a polícia da Nicarágua depois que eles foram usados na violenta repressão aos protestos contra o presidente Daniel Ortega e a mulher dele, a vice-presidente Rosa Murillo. O governo também bloqueou novas doações de equipamentos às forças de segurança da Nicarágua.

Os EUA responsabilizaram os dois pela violência, que deixou um saldo de 448 mortos, e pediram a antecipação das eleições presidenciais. Os protestos começaram em 18 de abril, inicialmente contra a reforma da seguridade social. É a primeira vez que os EUA acusam diretamente o presidente e sua vice pela situação na Nicarágua. 

Em um comunicado, a Casa Branca também anunciou sanções contra três funcionários nicaraguenses de alto escalão e restringiu a concessão de visto a funcionários que tenham ligação com a repressão aos protestos ou com atos de violência.

Ortega, por sua vez, acusou Washington de financiar as manifestações da oposição e admitiu que seu governo está por trás dos paramilitares que perseguem os manifestantes em uma entrevista à Euronews divulgada nesta segunda-feira. 

Segundo ele, a Nicarágua enfrenta um inimigo hostil, que são os EUA. Ortega garantiu que Washington enviou milhões de dólares a grupos locais que estão sendo usados “para desestabilizar o país e estimular ações armadas”. “São grupos que cometem crimes”, disse Ortega, assegurando ter provas.

O presidente de 72 anos também admitiu que o governo controla os paramilitares: “São policiais voluntários”, disse, contradizendo uma declaração anterior segundo a qual eles eram “organizados pela direita golpista”. / AFP e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.