Washington pede ajuda a Cuba e Sudão na caça aos terroristas

O governo dos EUA pediu hoje a colaboração de Cuba e do Sudão, dois países considerados "hostis" por Washington, para deter os responsáveis pela tragédia de 11 de setembro. Os dois países condenaram nos últimos dias os ataques contra as torres gêmeas de Nova York e o Pentágono, em Washington, que deixaram milhares de vítimas. O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, falou hoje por telefone com seu colega sudanês, Osman Ismail Mustafá, pedindo-lhe colaboração neste assunto.Também hoje, funcionários do Departamento de Estado mantiveram, na sede da missão diplomática cubana em Washington, um diálogo com representantes do governo de Fidel Castro, solicitando sua cooperação no caso. Cuba e Sudão estão entre os sete países incluídos pelos EUA na "lista negra" das nações que sustentam o terrorismo.Este foi considerado o contato de mais alto nível entre os EUA e Sudão nos últimos anos. Três anos atrás, os EUA bombardearam uma indústria farmacêutica no Sudão em represália contra os atentados nas embaixadas norte-americanas no Quênia e na Tanzânia. Os diplomatas norte-americanos tiveram ainda contato com um terceiro país da lista negra: a Síria. O governo de Damasco também prometeu colaborar. Os outros quatro países da lista são Irã, Iraque, Líbia e Coréia do Norte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.