Washington pede que Zelaya tenha paciência

O governo americano pediu ontem ao presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, que tenha paciência e evite estabelecer "prazos artificiais" nas negociações com o presidente autoproclamado, Roberto Micheletti."As partes deveriam dar tempo a esse processo, não colocar um prazo artificial, não dizer ?se tal coisa não acontece dentro de certo tempo, então o diálogo está morto?", disse o porta-voz do Departamento de Estado americano, Ian Kelly.A declaração foi feita um dia depois de Zelaya ter dado um "ultimato" a Micheletti para que o governo autoproclamado lhe devolva o poder no fim de semana, quando as duas partes se reunirão pela segunda vez na Costa Rica. O encontro será mediado pelo presidente costa-riquenho e Prêmio Nobel da Paz, Oscar Arias, que, no primeiro encontro, há cinco dias, não conseguiu estabelecer nenhum consenso entre as partes."É claro que eu entendo o desejo de Zelaya de regressar o mais rápido possível, mas a experiência me diz que é preciso ter paciência. Se não for por meio do diálogo, de que outra maneira seria possível restabelecer o presidente Zelaya?", declarou Arias.PRESSÃOOntem, em Tegucigalpa, milhares de manifestantes marcharam até a sede da embaixada americana exigindo que os EUA abandonem o que eles qualificam de posição ambígua. "Não somos bobos. Aqui não se move uma mosca sem o aval da embaixada (americana)", disse num megafone um dos líderes do grupo que se opõe ao golpe.O ministro do Interior do governo de facto, Enrique Ortez, renunciou ontem ao cargo quatro dias após tomar posse. Ele já havia renunciado à chancelaria depois de dizer que o presidente Barack Obama era "um negrinho que não sabe onde fica Tegucigalpa".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.