, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2010 | 00h00

Homofobia de Evo irrita gays argentinos

Na semana passada, o presidente boliviano, Evo Morales, deu mais uma demonstração de pouca intimidade com a ciência e relacionou calvície e homossexualidade ao consumo de frango com hormônio feminino. Segundo ele, comer frangos transgênicos "desvia a masculinidade". "Quando os homens comem as galinhas, têm desvios na forma como agem enquanto homens", disse Evo. "A calvície é causada pelo abuso de recipientes de plástico para conservar os alimentos. Ela parece ser uma doença normal na Europa, onde a maioria dos homens são carecas." Os carecas não se ofenderam tanto como os homossexuais. Um argentino, representando os direitos dos gays, fez o seguinte comentário: "Seguindo a mesma lógica, se enchermos uma galinha com hormônio masculino e forçarmos um homossexual a comê-la, ele se transformará em um heterossexual." O jornal The Guardian tranquiliza os que acreditaram em Evo: os produtores de frango da Europa e EUA já não usam hormônios.

LA NACIÓN

Brasil, de compras na Argentina

Começou em 1998, com a compra do Banco del Buen Aire pelo Itaú. Em 2002, o grupo Ambev, dono da Brahma, colocou um pé em Quilmes, onde se faz a cerveja símbolo da Argentina. Logo veio a venda para a Petrobrás da companhia petrolífera Perez Companc. Entre 2003 e 2007, pararam em mãos brasileiras os frigoríficos Swift Argentina e Cepa, adquiridos pela JBS-Friboi. O Banco Patagonia, vendido na semana passada ao Banco do Brasil, é só o último da lista.

WIRED

China ameaça estoque de papel higiênico

Mais um motivo para os americanos ficarem irritados com a China. A população de 1,4 bilhão de pessoas está colocando em risco o estoque mundial de papel higiênico. E isso nada tem a ver com o consumo direto. Nos últimos meses, a demanda chinesa fez com que o papel de escritório reciclável dobrasse de preço. É a partir desse produto que são fabricados os rolos extramacios, os preferidos dos americanos. A escassez deve pelo menos inflacionar o produto.

BLAG HAG

Mulheres de despem e esperam terremoto

"Mulheres que não se vestem modestamente desequilibram os jovens, corrompem sua castidade e espalham o adultério, o que provoca terremotos." Insatisfeita com esta relação feita pelo clérigo iraniano Hojatoleslam Kazem Sedighi, na semana passada, a americana Jen McCreight convocou para hoje uma manifestação na qual milhares de mulheres testarão a profecia. "Se um terremoto não ocorrer, convoco o sr. Sedighi a explicar racionalmente a falha". As adesões das mulheres, todas em trajes sumários, irão para o Facebook, em uma comunidade chamada Boobquake.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.