, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2010 | 00h00

Seguradoras testam clientes em redes sociais

Pode uma conta no Orkut ou Facebook indicar quanto tempo alguém viverá? Pois seguradoras dos EUA vasculham redes sociais em busca de "bons" clientes na web. O registro de compras, de hábitos de esporte e atividades de lazer revela mais do que o gosto do internauta. Permite traçar o perfil de um potencial segurado - e deduzir se é um atleta com muitos anos pela frente ou um sedentário com os dias contados. Essas informações nem sempre são precisas quando passadas por um cliente interessado em economizar no seguro. Analistas não consideram o caso invasão de privacidade. A informação da web ajudaria o mercado a conseguir um perfil mais verdadeiro do segurado - mesmo contra sua vontade.

TIME

Explosivo é uma das boas invenções do ano

Anualmente, a revista Time escolhe as 50 melhores invenções do ano. Uma das mais saudadas de 2010 é militar: um explosivo menos perigoso do que a dinamite comum. O IMX-101 é mais estável e pode ser armazenado em espaços menores, facilitando o abastecimento dos militares. As vantagens compensariam o custo, 30% maior.

THE GUARDIAN

Japão adota chihuahua como cão de resgate

Com apenas três quilos, a chihuahua "Momo" impõe respeito como cadela policial na cidade Nara, no oeste do Japão. Ela foi um dos 32 cães aprovados em um teste de busca e resgate - 38 animais fracassaram. Momo encontrou uma pessoa cinco minutos após cheirar seu boné. Seu nome significa pêssego em japonês.

FIVE THIRTY EIGHT

Mais segurança, menos passageiros nos aviões

Um levantamento nos EUA mostra que, desde 2002, quando aumentou o rigor na segurança dos aeroportos, o movimento de passageiros caiu 6%. Especialistas acreditam que, embora os americanos, em geral, aprovem iniciativas como o scanner corporal e considerem-se mais protegidos com eles, o excesso de fiscalização e o custo que ela representa fazem com que os viajantes escolham outros meios de transporte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.