Wen Jiabao diz ser essencial evitar rápida desaceleração

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, disse em uma entrevista para a rádio estatal Sunday que o país deve evitar que sua economia desacelere rapidamente, o que exige que as autoridades tomem decisões políticas decisivas.

Agência Estado

20 Maio 2012 | 09h19

"Evitar que a economia entre em uma tendência de desaceleração, e evitar uma desaceleração muito rápida, é de grande urgência", comentou. "Não importa qual seja a política fiscal ou a política monetária, nós não podemos esperar para ver e assim perder o tempo apropriado. Nós precisamos implementar as políticas em um cronograma adequado, se acreditarmos que essas são as ações certas", acrescentou.

Wen também prometeu dar uma prioridade maior ao crescimento econômico, segundo noticiou a agência estatal de notícias Xinhua, em meio a sinais de fragilidade apresentados recentemente pela economia chinesa. Segundo ele, a China vai colocar mais ênfase para garantir um crescimento sólido, enquanto mantém uma política fiscal proativa e uma política monetária prudente.

Os comentários indicam que a recente desaceleração da economia gerou sérias preocupações entre as principais autoridades da China, e sugerem fortemente que novas medidas de estímulo devem ser adotadas no futuro breve. Wen disse neste fim de semana que as autoridades vão adotar "medidas de ajuste fino" no prazo adequado, em resposta aos novos problemas que surgiram na economia.

Apesar dos comentários sobre a necessidade de incentivar o crescimento, Wen disse que as condições econômicas atuais na China estão estáveis, no geral. Além disso, o crescimento ainda estaria dentro da "faixa da meta esperada".

O primeiro-ministro também disse que o governo vai acelerar a expansão de um projeto piloto de reforma tributária implantado em Shangai. Nesse programa, certas indústrias tiveram seus impostos corporativos substituídos por um imposto de valor agregado (VAT, na sigla em inglês) com taxa menor. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.