Kirsty Wigglesworth/AP
Kirsty Wigglesworth/AP

WikiLeaks afirma que governo britânico espiona Julian Assange

Site divulgou vídeo sobre a prisão domiciliar de seu fundador e afirma que governo colocou câmeras no local

Efe,

16 de junho de 2011 | 14h48

LONDRES - O site WikiLeaks divulgou nesta quinta-feira, 16, um vídeo sobre a prisão domiciliar de seu fundador, Julian Assange, e afirma que o governo britânico colocou três câmeras de segurança na casa onde vive para espionar o jornalista.

 

Veja também:

especialESPECIAL: Saiba como funciona o site que divulga documentos secretos

 

O filme, intitulado "Prisão domiciliar", mostra uma das câmeras em frente à residência Ellingham Hall, no condado de Norfolk, no sudeste da Inglaterra, onde Assange cumpre seis meses de liberdade condicional enquanto prossegue seu processo de extradição à Suécia, onde é requerido por supostos crimes de agressão sexual.

 

As câmeras de segurança foram colocadas em dezembro e têm como objetivo registrar quem entra e sai da casa, segundo o WikiLeaks, cujo vídeo foi divulgado na versão digital do jornal britânico The Daily Telegraph.

 

 

"Acreditamos que estão vigiando todos os que entram e saem da propriedade", segundo Sarah Harrison, membro da equipe do portal.

 

O dono da mansão, Vaughan Smith, disse que é possível que as câmeras registrem as placas dos carros que entram. "Sei que o país está cheio delas, mas não sei por que preciso de tantas ao redor da minha casa", afirmou Smith.

 

O vídeo, de cinco minutos, mostra como Assange vive em Norfolk e nele é possível ver o jornalista com o dispositivo eletrônico que é obrigado a usar no corpo.

 

O diretor do grupo defensor das liberdades civis Big Brother Watch, Daniel Hamilton, disse nesta quinta-feira que as câmeras deveriam ser retiradas do lugar.

 

"Apesar das acusações contra Assange, ele não foi condenado por nenhum crime. O fato de seus movimentos e os de seus visitantes serem vigiados desta maneira é uma degradante invasão de privacidade. Estas câmeras deveriam ser retiradas imediatamente", avaliou Hamilton.

 

A Procuradoria da Suécia quer interrogar Assange por três supostos crimes de agressão sexual e um de estupro após a denúncia de duas mulheres, que afirmaram que os fatos ocorreram em agosto de 2010.

 

Assange, cujo site revelou milhares de informações confidenciais de embaixadas americanas de todo o mundo, foi preso em Londres em dezembro passado depois que recebeu o pedido de extradição da Procuradoria sueca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.