WikiLeaks: BHP propôs à Austrália troca de relatórios sobre a China

Documentos revelam que mineradora anglo-australiana queixou-se da vigilância das autoridades chinesas

Efe,

15 de fevereiro de 2011 | 05h04

SYDNEY - A mineradora anglo-australiana BHP Billiton propôs à Austrália uma troca de relatórios sobre a China, segundo telegramas diplomáticos dos Estados Unidos divulgados pelo WikiLeaks e publicados nesta terça-feira pelo diário Sydney Morning Herald.

O executivo-chefe de BHP, Marius Kloppers, realizou a oferta em 2009, após queixar-se a um diplomata americano da vigilância à qual estava submetida sua empresa por parte das autoridades chinesas e da concorrência, incluindo a Rio Tinto.

"Visivelmente frustrado, Kloppers assinalou que fazer negócios em Melbourne é como 'jogar pôquer onde todos veem suas cartas'", diz o telegrama do embaixador americano na Austrália, Michael Thurston.

"Queixou-se da vigilância da China e da industrial e chegou a perguntar ao embaixador (Thurston) sobre seus conhecimentos a respeito das intenções chinesas, oferecendo-lhe uma troca confidencial", acrescenta o comunicado do embaixador.

O maior mercado da BHP Billiton e da Rio Tinto, também de capital anglo-australiano, encontra-se na China, mas a relação com a segunda maior economia do mundo é tensa, especialmente pela posição dominante das duas na exploração mundial de minério de ferro junto à mineradora brasileira Vale.

Em 2008, a BHP Billiton tentou comprar a Rio Tinto e um ano mais tarde ofereceu um acordo comercial para controlar o mercado do minério de ferro, que não se materializou pelas reservas da China e dos reguladores antimonopólio.

Já o conglomerado chinês minerador e metalúrgico Chinalco lançou uma oferta de colaboração de US$ 23,9 bilhões à Rio Tinto, que inicialmente aceitou o acordo e depois o rejeitou.

A China é o principal destino do ferro australiano, com importações que aumentaram 42% no último ano passado, chegando a 628 milhões de toneladas.

Tudo o que sabemos sobre:
InternacionalAustráliaWikiLeaks

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.