WikiLeaks: Cuba pode quebrar em 2011

Em documento anterior às reformas de Raúl, diplomatas alertam para insolvência da economia

estadão.com.br,

10 de dezembro de 2010 | 17h26

SÃO PAULO - Mensagens diplomáticas vazadas pelo site WikiLeaks e publicadas pelo jornal espanhol El País indicam que a crise econômica cubana pode levar o país à falência em dois ou três anos. No documento, um diplomata americano relata o resultado de um encontro com representantes de Brasil, China, Espanha, Canadá, Itália, França e Japão.

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

"Todos os diplomatas concordam que Cuba poderia sobreviver a 2010 sem mudanças substanciais, mas a situação financeira pode se tornar fatal em dois ou três anos", diz a mensagem, assinada pelo chefe da representação diplomática dos EUA em Havana, Jonathan Farrar.

De acordo com o documento, o representante italiano garantiu que contatos do governo cubano admitem que o país poderia se tornar insolvente em 2011.O representante brasileiro na reunião disse temer as consequências políticas da ausência de uma reforma econômica.

"Qualquer discussão sobre reformas do tipo chinesa, principalmente as que envolvem investimento extrangeiro são uma dor de cabeça", acrescentou um diplomata chinês.

A mensagem foi escrita antes do anúncio de reestruturação da economia cubana feita pelo presidente raúl Castro. O Estado deve demitir cerca de 500 mil funcionários públicos, que passarão a trabalhar em pequenos negócios. Em abril do ano que vem, o Partido Comunista local organizará um congresso para discutir as mudanças na economia.

Com Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
CubaRaúl CastroWikiLeaks

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.