WikiLeaks: Documento confirma que Israel destruiu reator da Síria em 2007

Estado judeu não admite ataque, mas secretária de Estado da época revela bombardeio

AE, Agência Estado

24 de dezembro de 2010 | 09h26

JERUSALÉM - Israel destruiu um reator nuclear da Síria em um ataque aéreo, semanas antes de ele entrar em funcionamento em 2007, afirma um documento diplomático dos EUA vazado pelo site WikiLeaks e publicado nesta sexta-feira, 24, pelo jornal israelense Yediot Aharonot.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

 

"Em 6 de setembro de 2007, Israel destruiu o reator nuclear construído secretamente pela Síria aparentemente com a ajuda da Coreia do Norte", afirmou a então secretária de Estado americana Condoleezza Rice, em documento publicado pelo Yediot Aharonot. "Nossos especialistas de inteligência estão convencidos de que o ataque dos israelenses tinha como alvo na verdade um reator atômico do mesmo tipo do construído pela Coreia do Norte em Yongbyon", escreveu ela, em mensagem datada de abril de 2008.

 

"Nós temos boas razões para acreditar que o reator não foi construído para fins pacíficos", disse ela, acrescentando que o ataque ocorreu apenas semanas antes de o reator começar a operar.

 

Condoleezza também destacou o segredo em torno da instalação nuclear, com autoridades sírias se recusando a convidar a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) ou a imprensa para visitá-lo.

 

A Síria sempre negou que a estrutura atacada por aviões de combate israelenses fosse um reator nuclear. O governo sírio apenas admitiu que era uma "instalação militar em construção". Israel por sua vez nem chegou a admitir oficialmente que atacou o alvo.

 

O ex-presidente dos EUA George W. Bush afirmou em seu livro de memórias que resistiu à pressão israelense para bombardear o local. Em 2008, o então senador e candidato Barack Obama, atualmente presidente, disse que Israel tinha o direito de bombardear a instalação suspeita na Síria. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
WikiLeaksIsraelSíriareator

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.