WikiLeaks ganha rival na internet

Organização criada por ex-colegas de Assange tem como objetivo ser mais ''transparente''

, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2010 | 00h00

Esqueça o governo dos EUA ou as empresas que lançaram uma ofensiva contra o WikiLeaks. O mais novo inimigo do site fundado pelo australiano Julian Assange é o OpenLeaks, organização comandada por Daniel Domscheit-Berg que chega à internet no começo de 2011 com o objetivo de desbancar o rival famoso por vazar cerca de 250 mil documentos secretos da diplomacia americana.

Domscheit-Berg era o número 2 na hierarquia do WikiLeaks e disse que deixou o site por causa da "falta de transparência" do grupo no processo de tomada de decisões. "Nos últimos meses, a organização não tem sido mais aberta e perdeu sua premissa de ter fontes abertas", afirmou o fundador do OpenLeaks.

A história contada por Assange, porém, é diferente: segundo ele, Domscheit-Berg foi "suspenso" do WikiLeaks por "má conduta" e só estava criticando a organização por estar insatisfeito com sua punição.

O OpenLeaks será aberto por Domscheit-Berg em parceria com Herberg Snorranson - outro ex-funcionário do WikiLeaks que rompeu com Assange por "divergências internas". "A diferença entre o OpenLeaks e o WikiLeaks é que nós não publicaremos nada em nosso site e sim teremos como base uma rede segura na qual haverá uma "caixa de mensagens" onde será possível deixar e recolher informações", disse Snorranson.

Essa espécie de "caixa de mensagens" consistirá em um espaço virtual para o qual as fontes poderão enviar documentos, que então serão mandados pelos funcionários do OpenLeaks para meios de comunicação ou instituições que possam ter interesse nesse tipo de informação.

De acordo com Snorranson, essa "caixa de mensagens" ficaria disponível nas páginas de parceiros do OpenLeaks. Para ter acesso ao site, os interessados terão de se associar à organização, pagando mensalmente uma taxa que varia entre 200 e 500.

Entre os possíveis sócios da organização estariam jornais, grupos de defesa dos direitos humanos, sindicatos e até mesmo governos.

Funcionamento. O site, no entanto, ficará em fase de testes até abril de 2011 e só depois começará a funcionar normalmente. Durante esse período, o OpenLeaks funcionará somente com cinco sócios para depois de um determinado tempo criar uma "rede extensa" de contatos. / EFE e REUTERS

PARA ENTENDER

O WikiLeaks tem um funcionamento semelhante ao do site Wikipédia, reunindo informações enviadas por usuários da internet em todo o mundo. O colaborador não precisa se identificar e voluntários tentam verificar a autenticidade dos documentos enviados ao site. Os vazamentos feitos pelo WikiLeaks este ano foram numericamente os maiores de todos os tempos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.