WikiLeaks nega vínculo com ciberataques

Empresas considerada 'inimigas' do site sofreram ataques de hackers nos últimos dias

Reuters

10 de dezembro de 2010 | 09h03

LONDRES - O site WikiLeaks anunciou nesta sexta-feira, 10, não estar ligado aos ataques de hackers contra empresas e entidades consideradas inimigas do site. O WikiLeaks não condenou e nem apoiou os ciberataques.

 

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

 

Um comunicado divulgado pela porta-voz do WikiLeaks, Kristinn Hrafnsso, afirma que os ataques são "um reflexo da opinião pública sobre as ações das empresas que foram alvos".

 

Desde o início da semana, hackers se uniram e atacaram sites de empresas como a MasterCard, a Visa, a PayPal, do governo e da promotoria sueca e de um banco suíço em solidariedade ao WikiLeaks, em uma operação chamada "Payback" (Contra-ataque, em tradução livre).

 

As empresas cortaram os serviços de doações ao WikiLeaks, que tem causado constrangimento ao governo americano e vários outros a desde que começou a divulgar, no último dia 28, mais de 250 mil documentos diplomáticos secretos de Washington. A Suécia, por sua vez, busca o criador do WikiLeaks, Julian Assange, por crimes sexuais.

 

"Acredita-se que esses ataques que bloquearam o serviços dos sites se originou a partir de um grupo chamado Anonymous. O grupo não é afiliado ao WikiLeaks. Não houve contato entre a equipe do WikiLeaks e a equipe do Anonymous. O WikiLeaks não recebeu avisos de quaisquer ações do Anonymous", diz o comunicado.

 

Saiba mais:

link'É a 1ª guerra na web', diz hacker pró-Assange

 

Os serviços de pagamento foram cortados justamente devido à divulgação dos documentos. As doações anônimas são a principal fonte de renda do WikiLeaks.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.