William e Kate não são reedição de Charles e Diana

Casamento de 30 anos atrás foi entre dois aristocratas e arranjado. Desta vez, príncipe se juntará com uma plebeia carismática, por quem se apaixonou na faculdade

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2010 | 00h00

Há oito anos a notícia era esperada. As pessoas já estavam desanimadas. Afinal, por que o príncipe William, filho mais velho de Charles e Lady Di (morta em 1997) não se declarava logo e pedia a mão de Kate Mindleton? As revistas de celebridades se enervavam. Quase tiveram uma crise em 2007, quando os dois jovens se separaram - Kate estava farta de ser chamada pelos jornais de "Waitie Kate" (Kate à espera).

Mas agora, mil maravilhas. O sol. A felicidade. Um comunicado da Clarence House, residência do príncipe Charles, acabou com a dúvida. O casamento será realizado na primavera ou verão de 2011. Segundo os londrinos, "ele treinaram muito tempo". As casas de apostas agora recebem lances para a data do casamento e o tempo que fará nesse dia.

A rainha e o príncipe Philip (avós de William) estão encantados. Jornais aumentaram as vendas. No eBay, já estão à venda xícaras de porcelana e camisetas com a imagem dos dois pombinhos.

O casamento de William e Kate vai se realizar trinta anos após o de Charles e Diana. E o príncipe teve a delicadeza de oferecer à sua noiva uma bela safira azul com diamantes em volta, anel que o príncipe Charles ofereceu em 1981 à sua noiva Diana. Grandes emoções.

Por outro lado, os dois romances são bem diferentes: o casamento de Lady Diana e o príncipe Charles, que foi uma união "arranjada" e trouxe muita infelicidade, não demorou. Foram apenas alguns meses de espera. Diana tinha apenas 20 anos quando se casou.

O encontro entre o príncipe William e Kate é mais natural. Os dois jovens se conheceram em 2001 na Universidade de St. Andrews, onde estudavam história da arte. Viviam numa república com outros estudantes e foi lá que se apaixonaram.

Há uma outra diferença: Diana, nascida Spencer, pertencia a uma das grandes famílias aristocráticas do reino. Não é o caso de Kate. Do lado dos avós da noiva, há mineiros e operários. Na geração seguinte, um pequeno avanço: os pais de Kate encontraram-se na British Airways, um comissário e uma comissária de bordo./ TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

É CORRESPONDENTE EM PARIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.