Photo by Mandel NGAN and Jim WATSON / AFP
Photo by Mandel NGAN and Jim WATSON / AFP

Woodward diz que não falou antes sobre Trump e o coronavírus para 'poder contextualizar'

Jornalista se defende de ataques de Trump e diz ao Washington Post que acredita que seu maior objetivo não é escrever histórias rápido, mas dar a seus leitores uma visão geral 

Margaret Sullivan, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2020 | 14h44

Duas ondas de indignação se formaram com a divulgação da notícia de que o presidente Donald Trump, em entrevista gravada ao jornalista Bob Woodward, admitiu ter minimizado o risco do coronavírus mesmo sabendo que ele era mortal, publicada no livro “Rage”.

A primeira foi a revelação em si, de Trump a Woodward, que ele sabia já em fevereiro - mesmo quando estava descartando publicamente o novo coronavírus como um risco sério - que a pandemia iminente era muito mais mortal do que a gripe.

A segunda foi que Woodward, há muito associado ao jornal The Washington Post, não revelou isso ao público antes.

O fato de que este segundo ultraje circulou principalmente entre jornalistas conversando entre si não deixou de ser menos furioso: se o famoso repórter de Watergate sabia que Trump estava mentindo para o público sobre uma questão de vida ou morte, por que ele não revelou imediatamente?

Woodward não é o primeiro jornalista a guardar informações interessantes para um livro. Mas "essa prática tradicional ainda é ética?" twittou David Boardman, reitor da escola de jornalismo da Temple University e editor de longa data do Seattle Times.

Outros críticos foram menos circunspectos: “Isso é realmente preocupante. Como jornalistas, devemos trabalhar no interesse público. Acho que houve uma falha aqui ”, escreveu Scott Nover, repórter do jornal Adweek.

Para ser justo, não eram apenas os jornalistas que levantavam preocupações. Um leitor me escreveu argumentando que a revelação de Woodward "poderia ter sido útil na primavera, explicando a gravidade da doença ao público, mostrando a resposta inepta e desajeitada do governo Trump e pressionando-os a fazer mais". Ele acrescentou, com um toque de cinismo, que esperava que o pagamento antecipado do autor fizesse o atraso valer a pena.

As perguntas são válidas - e, como observa Boardman, nada novas. Esse tipo de pergunta surge quase todas as vezes que um jornalista escreve um livro que contém informações atualizadas, especialmente sobre questões de segurança nacional ou bem-estar público: Por que só estamos lendo sobre isso agora?

Ainda na semana passada, o repórter do New York Times Michael Schmidt foi criticado por reter algumas revelações substanciais para seu livro sobre a investigação das ligações de Trump com a Rússia e a investigação de Robert Mueller III. 

“Não está totalmente claro por que esses relatórios, muitos deles datando de até três anos antes, chegaram às páginas do livro de Schmidt em vez do jornal por assinatura que o emprega”, escreveu Roger Sollenberger na revista Salon.

Levei as perguntas e reclamações para Woodward, que inicialmente estava relutante em falar oficialmente até depois que um segmento do programa de TV “60 Minutos” fosse ao ar no domingo, porque ele havia prometido ao editor e à CBS não dar nenhuma entrevista até então. Mas como minhas perguntas eram sobre o processo, e não sobre o conteúdo do livro, ele concordou em abordar as questões éticas.

Woodward me disse que - ao contrário das especulações - ele não tinha nenhum acordo assinado ou embargo formal com Trump ou a Casa Branca para conter suas conversas até que o livro fosse publicado.

“Eu disse a ele que era para o livro”, disse Woodward - mas quanto a prometer não publicar em tempo real ou assinar tal acordo, “eu não faço isso”.

Woodward disse que seu objetivo era fornecer um contexto mais completo do que poderia ocorrer em uma notícia: “Eu sabia que poderia contar o segundo rascunho da história, e sabia que poderia contá-lo antes da eleição”. (O ex-editor do Washington Post, Phil Graham, chamou o jornalismo de "o primeiro rascunho da história".)

Além do mais, disse ele, houve pelo menos dois problemas com o que ouviu de Trump em fevereiro que o impediram de publicar no jornal na época.

Primeiro, ele não sabia qual era a fonte das informações de Trump. Só meses depois - em maio - Woodward soube que isso veio de uma reunião de inteligência de alto nível em janeiro, que também foi descrita no relatório de quarta-feira sobre o livro.

Em fevereiro, o que Trump disse a Woodward parecia difícil de entender. Naquela época, disse Woodward, não havia pânico em relação ao vírus; mesmo nos últimos dias daquele mês, Anthony Fauci assegurava publicamente aos americanos que não havia necessidade de mudar seus hábitos diários.

Em segundo lugar, Woodward disse: “o maior problema que tive, que é sempre um problema com Trump, é que não sabia se era verdade”.

Trump falou com Woodward em mais de uma dúzia de ocasiões e, em alguns casos, “ele começou a me ligar à noite”.

Demorou meses, Woodward me disse, para fazer a reportagem que colocava tudo em contexto, que ele acredita ser sua missão como autor. “Meu trabalho é entendê-lo, saber o que ele fez, e responsabilizá-lo”, disse Woodward. “Fiz o melhor que pude” nesse sentido.

Mas por que não escrever essa história mais tarde na primavera, uma vez que ficou claro que o vírus era extraordinariamente destrutivo e que a minimização precoce de Trump quase certamente custou vidas?

Mais uma vez, Woodward disse que acredita que seu maior objetivo não é escrever histórias diárias, mas dar a seus leitores uma visão geral - uma que pode ter um efeito maior, especialmente na iminência de uma eleição.

O esforço de Woodward, disse ele, foi entregar na forma de livro "a melhor versão da verdade que pode ser obtida", não para apressar a publicação de revelações individuais.

E sempre com um determinado prazo em mente, para que as pessoas pudessem ler, absorver e fazer seus julgamentos bem antes do dia 3 de novembro. “A demarcação é a eleição”.

Woodward, apesar de sua associação de longa data com o Post, não é mais um funcionário do jornal, embora mantenha uma afiliação e o título honorífico de editor associado. Ele não está mais no jornalismo diário.

O Post, assim como a CNN, recebeu as cópias do livro apenas recentemente, para que pudesse preparar as reportagens baseadas no livro.

Não sei se colocar as revelações mais recentes do livro em algo mais próximo do tempo real teria feito alguma diferença. Eles poderiam muito bem ter sido negados e logo esquecidos na onda constante de novos escândalos e mentiras.

Ainda assim, a chance - mesmo que seja uma chance mínima - de que essas revelações possam ter salvado vidas é um poderoso argumento contra esperar tanto tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.