WSJ: Michelle Obama abre a convenção democrata

A primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, abriu ontem a Convenção Nacional Democrata com um discurso profundamente pessoal no qual ligou as lutas econômicas dos trabalhadores médios, incluindo as de seus pais, com as políticas que seu marido, Barack Obama, têm perseguido como presidente e candidato à reeleição.

Agência Estado

05 de setembro de 2012 | 02h40

Michelle usou a história de seu pai e a da avó de Obama como bancária para explicar o apoio do presidente às leis de igualdade de pagamento, além de seu apoio à lei de seguros de saúde e aos empréstimos estudantis.

Ela não mencionou o candidato presidencial republicano Mitt Romney ou o partido dele. Mas sua história desenhou uma comparação implícita com a vida de maior privilégio de Romney. Michelle também enquadrou a eleição em torno da filosofia pessoal de Obama, num momento em que seus adversários republicanos argumentam que o presidente tem poucos feitos concretos para explicar por que os eleitores estão melhor agora do que quando ele começou seu mandato.

"No final, para Barack, estas questões não são políticas - elas são pessoais. Porque Barack sabe o que significa quando uma família se esforça", disse Michelle. A convenção democrata, que terá três dias de duração, visa ainda atrair a atenção e o voto das mulheres e dos latinos, eleitorados considerados críticos para a coalizão de Obama. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaMichelleconvençãodemocrata

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.