Wyclef Jean pede a haitianos que deixem o crime e ajudem o país

O músico Wyclef Jean, ganhadordo Grammy, pediu a seus compatriotas que abandonem o crime etrabalhem para melhorar o Haiti, em uma declaração em uma rádiopatrocinada pela missão de paz da ONU no país. "Se você ama Wyclef, significa que você ama o Haiti. Então,você não deve estuprar mulheres ou sequestrar pessoas ecrianças, porque não há justificativa para isso", disse Jean emcreole, a língua local, em uma curta vinheta levada ao arvárias vezes por dia por estações locais haitianas. "Eu rejeito essas práticas malévolas", disse Jean, 35 anos,que também pediu aos haitianos que respeitem e protejam osdireitos das mulheres. O Haiti, país mais pobre das Américas, enfrentou décadas demotins políticos, ditaduras, poder militar e violência. A polícia haitiana e as autoridades da ONU notaram umaumento na criminalidade nas últimas semanas e estão tentandoconter uma onda de sequestros e crimes cometidos por gangues nacapital e em algumas províncias. Os números oficiais mostram que houve 36 sequestros emPorto Príncipe em março e cerca de 30 em fevereiro. O númerotinha caído para menos de 20 por mês. Fred Blaise, porta-voz da polícia da ONU, disse que apopularidade de Jean entre os haitianos atravessa todas asclasses sociais e pode influenciar positivamente os jovensenvolvidos com a criminalidade. "Todos os tipos de haitianos, os bons e os maus, têm grandeadmiração por Wyclef e pelo o que ele representa comohaitiano", disse Blaise à Reuters no domingo. "Então eles estão mais receptivos à mensagem de Wyclefporque sentem orgulho dele", disse Blaise. Jean, que ficou famoso ao participar do grupo The Fugees, ébastante respeitado no Haiti. No ano passado, ele foi designadopelo presidente Rene Preval para ser embaixador itinerante, afim de melhorar a imagem do país no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.