Erin Schaff/NYT
Erin Schaff/NYT

'Xamã do QAnon' se declara culpado de acusação relacionada à invasão ao Capitólio

Jacob Chansley, de 34 anos, concordou com pena de 41 a 51 meses de prisão

Alan Feuer, The New York Times, O Estado de S.Paulo

03 de setembro de 2021 | 18h03

WASHINGTON - Amplamente conhecido como "Xamã do QAnon" e figura-chave da invasão ao Capitólio americano em 6 de janeiro, Jacob Chansley, de 34 anos, se confessou culpado de "obstrução de processo oficial perante o Congresso" nesta sexta-feira, 3.

Ex-ator e membro da Marinha, Chansley, de 34 anos, ficou mundialmente conhecido após a invasão. Dezenas de registros mostram o homem sem camisa no chão do Senado, brandindo uma lança feita de um mastro e participando ativamente da rebelião promovida por apoiadores de Trump que não aceitaram o resultado das eleições de 2020. QAnon é uma teoria da conspiração que se assemelha a um culto, regularmente difundida entre apoiadores do ex-presidente republicano.

Chansley, que diz ter perdido a fé em Trump, permaneceu no centro das atenções mesmo depois de sua prisão.

Em fevereiro, seu advogado, Albert Watkins, persuadiu um juiz federal a ordenar que a prisão onde Chansley estava detido lhe fornecesse uma dieta estrita de alimentos orgânicos. No mês seguinte, Chansley deu uma entrevista amplamente assistida ao programa 60 Minutes, dizendo que suas ações em 6 de janeiro não foram um ataque à nação, mas sim uma forma de “trazer Deus de volta ao Senado”.

Sua audiência de confissão no Tribunal Distrital dos Estados Unidos em Washington nesta sexta-feira se afastou da atmosfera circense que cercou o caso desde o início. Ele só falou para responder a perguntas processuais com sim ou não. Sob os termos de seu acordo, Chansley concordou em aceitar uma recomendação de 41 a 51 meses de prisão. Ele deve ser condenado em 17 de novembro.

Outro réu que se confessou culpado da mesma acusação este ano recebeu oito meses em uma audiência de condenação em julho.

Entre os primeiros desordeiros a invadir o Capitólio, Chansley foi preso três dias depois e acusado de desordem civil, obstrução, conduta desordeira em um prédio restrito e manifestação em um prédio do Capitólio. Os promotores disseram que enquanto estava na Câmara do Senado, ele deixou uma nota na mesa do então vice-presidente Mike Pence dizendo: "É apenas uma questão de tempo, a justiça está chegando."

Chansley, que apareceu em seu traje de xamã em vários comícios pró-Trump antes de 6 de janeiro, também foi um dos primeiros réus a culpar Trump por seu próprio comportamento no motim. Poucas semanas após sua prisão, Watkins disse que Trump era culpado de incitar seus seguidores a atacar o Capitólio, acrescentando que planejava pedir perdão à Casa Branca por seu cliente.

“O nosso presidente tem a responsabilidade?” Watkins disse ao The New York Times na época. "Inferno, sim, ele tem."

Mais recentemente, no entanto, Watkins disse que Chansley - como outros desordeiros - se sentiu traído por Trump. Ele também disse que Chansley repudiou o culto QAnon e gostaria de ser conhecido apenas como um xamã, não como o xamã do QAnon.

“O caminho traçado pelo Sr. Chansley desde 6 de janeiro tem sido um processo, que envolveu dor, depressão, confinamento solitário, introspecção, reconhecimento de vulnerabilidades de saúde mental e enfrentamento da necessidade de mais trabalho autônomo”, Watkins disse em um comunicado na quinta-feira.

Até agora, 51 das cerca de 600 pessoas que foram acusadas em conexão com o motim declararam-se culpadas, a maioria por delitos de contravenção, como conduta desordeira. Pelo menos 11 outros réus devem se declarar culpados até o final de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.