Xangai incentiva crescimento familiar

Cidade quer evitar envelhecimento da população e falta de mão-de-obra

David Barboza, O Estadao de S.Paulo

25 de julho de 2009 | 00h00

Trinta anos depois de a China criar a política do filho único, Xangai está encorajando casais jovens a terem um segundo filho. Funcionários da prefeitura planejam bater de porta em porta distribuindo panfletos e oferecendo apoio psicológico e incentivo financeiro para aqueles dispostos a ter mais de um filho. A iniciativa tem como objetivo acabar com a preocupação sobre o encolhimento da força de trabalho e o envelhecimento da população. É o primeiro esforço público expressivo destinado a contrabalançar uma política considerada ao mesmo tempo um sucesso e um fracasso. Sucesso porque conseguiu controlar o crescimento da população. Fracasso porque deu início a uma onda de abortos e abandonos de meninas. A China não acabou definitivamente com a política do filho único, mas está aceitando mais exceções à regra.Hoje, por exemplo, um casal que não tiver irmãos pode ter dois filhos. Até pouco tempo, as exceções ficavam restritas às minorias étnicas ou aos residentes das áreas rurais cujos primeiros filhos fossem mulheres. Atualmente, 22% da população de Xangai tem mais de 60 anos. Da população de toda a China, 8% tem mais de 65 anos. Segundo a ONU, esse índice pode triplicar até 2050. "Defendemos que os casais que têm permissão tenham dois filhos porque isso pode reduzir a proporção da população idosa e aliviar a falta de trabalhadores no futuro", explicou Xie Lingli, diretor da Comissão de Planejamento Familiar de Xangai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.