Xenofobia chega à gastronomia

O preconceito contra o que vem de fora da Itália tornou-se ainda maior na cidade de Lucca, na Toscana. A Câmara de Vereadores do município proibiu a abertura de novas lanchonetes e restaurantes para a venda de comidas turcas, árabes e chinesas, sob o pretexto de incentivar o consumo de comida nacional. A ideia, defendida pelo partido conservador Liga Norte, seria uma forma de "proteger" comerciantes locais contra o crescimento da comida étnica. "Precisamos resguardar nossa cultura", disse o ministro da Agricultura, Luca Zaia, sobre a proibição. No entanto, ele admitiu que por trás da iniciativa estão interesses comerciais. Os críticos das medidas radicais defendidas pelo governo têm questionado: o que será feito com os ingredientes dos pratos tradicionais italianos? O tomate foi um presente do Peru à culinária do país, enquanto o espaguete veio da China.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.