Xeque saudita teria financiado terroristas de Madri

Um líder religioso saudita destinou dinheiro para o egípcio acusado de ser um dos autores intelectuais dos atentados contra trens em Madri, informam jornais da Espanha e da Itália. O suspeito, Rabei Osman Ahmed, preso em Milão, identificou o xeque Salman al-Awdah, um ex-professor universitário da Arábia Saudita, como sua principal fonte de recursos no período em que viveu na Espanha.Os atentados de 11 de março em Madri deixaram 191 mortos e foram atribuídos a militantes islâmicos ligados à Al-Qaeda. Em uma conversa grampeada antes de sua prisão, Ahmed teria dito que "o ataque a Madri é meu projeto". Segundo as reportagens divulgadas hoje, ele descreveu al-Awdah como "tudo, tudo". "Trabalhei para ele na Espanha. Fui muito bem, ganhei 2.000 euros por mês. Houve dias em que fiz 1.000 euros por dia", teria dito o suposto terrorista a um jovem que estaria sendo recrutado para cometer atentados no Iraque e no Afeganistão.Na quarta-feira, al-Awdah, falando na TV Al-Arabiya, repetiu que nunca encorajou ou determinou atos de violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.