Xeque se desculpa por comentário sobre mulheres sem véu

O xeque Taj al-Din al-Hilaly, consideradoguia espiritual da comunidade muçulmana na Austrália, pediudesculpas nesta quinta-feira por seu comentário sobre as mulheres que saem sem o"hijab" (véu islâmico), que causou grande polêmica entre osAustralianos. "Peço perdão sem reservas a qualquer mulher que tenha se sentidoofendida pelas minhas palavras. Pretendia apenas proteger a honra damulher", disse Hilaly, segundo a agência de notícias AAP. O líder islâmico atribuiu a polêmica ao fato de que a versãotraduzida de seu sermão é incompleta. "Se você deixa carne descoberta na rua, no jardim, no parque ouno pátio, e vêm os gatos e a comem, de quem é a culpa, dos gatos ouda carne descoberta?", perguntou o xeque, segundo a tradução dojornal The Australian. "O problema é a carne descoberta. Se a mulher tivesse ficado emseu quarto, em sua casa, com seu ´hijab´, o problema não teriaocorrido", acrescentou Hilaly. O sermão, chamado "Porque os homens foram mencionados antes queas mulheres pelo delito do roubo e as mulheres antes que os homenspelo pecado da fornicação", foi escrito em árabe e pronunciado há ummês por causa do início do Ramadã, diante de 500 fiéis em Sydney. Hilaly disse que falava das doutrinas religiosas sobre a modéstiae criticava a violação: "Eu condeno a violação e reitero que é umpecado capital". Entre as muitas reações surgidas, o ministro da Fazendaaustraliano, Peter Costello, disse que estas declarações "convidamas pessoas a tratar as mulheres de forma degradante eDesumanizadora". Costello afirmou que os líderes das igrejas Católica e Anglicanada Austrália nunca teriam feito comentários desse tipo, e incentivouos muçulmanos a condenar as declarações. Na Austrália, vivem quase 300 mil muçulmanos, que formam 1,5% dapopulação total do país, segundo o censo de 2001.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.