Jason Lee/ Reuters
Jason Lee/ Reuters

Xi defende abertura, mas diz que ‘ninguém pode ditar’ o que a China deve fazer

No evento de comemoração dos 40 anos de reforma e abertura chinesa, presidente disse que reforçará desenvolvimento da economia estatal para impulsionar economia privada

O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2018 | 04h51

PEQUIM – O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que “ninguém está em posição de ditar ao povo chinês o que deve ser feito” durante discurso na comemoração dos 40 anos do processo de reforma e abertura da China. No evento, realizado nesta terça-feira, 18, Xi afirmou que o país seguirá aberto ao exterior e “inabalável no caminho do socialismo com características chinesas”.

“Reforçaremos o desenvolvimento da economia estatal enquanto conduzimos o desenvolvimento da economia privada”, afirmou o presidente. “A abertura traz o progresso enquanto o fechamento leva ao fracasso”, disse.

Segundo o mandatário, nas últimas quatro décadas a China disse adeus aos problemas que atormentavam sua população por milhares de anos, incluindo a fome, escassez e pobreza.

“Cada passo de reforma e abertura não é fácil. No futuro, vamos inevitavelmente enfrentar toda sorte de riscos e desafios, e até mesmo inimagináveis tempestades”, disse o presidente.

No discurso, com um tom nacionalista, Xi destacou que não há receita pronta para conduzir o país.

“Não há um livro com regras de ouro para guiar a reforma e o desenvolvimento da China, um país com mais de 5 mil anos de história e mais de 1,4 bilhão de pessoas”, afirmou.

O presidente também defendeu as políticas do Partido Comunista nas últimas décadas e destacou a atuação da entidade contra a corrupção. \ EFE e Reuters

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia]Xi Jinpingeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.