Xiita radical diz que EUA são inimigo do povo iraquiano

O clérigo radical xiita Muqtada al-Sadr, cujas milícias travam duros combates contra forças americanas e iraquianas, chamou os Estados Unidos de inimigo do povo do Iraque e responsabilizou o governo Bush pela violência que toma o país. O governo interino do Iraque considera os EUA um parceiro, mas num sermão lido por um de seus assessores hoje na Mesquita de Kufa, al-Sadr diz que Washington "é nosso inimigo e o inimigo do povo, e não aceitaremos sua parceria". O sermão não trata explicitamente dos dois dias de intensos combates entre sua milícia, o Exército Mahdi, e as forças da coalizão. Entretanto, al-Sadr comenta a onda de seqüestros e a série de ataques coordenados contra igrejas cristãs, ocorrida no domingo. "Responsabilizo os ocupantes por todos os ataques ocorrendo no Iraque, como os ataques contra igrejas e seqüestros", disse ele no sermão lido pelo xeque Jaber al-Khafaji. O líder xiita considerou que a violência é do interesse das tropas estrangeiras que querem "criar divisões e controlar nosso amado pais". "A América é o maior dos Satãs", acrescentou. Al-Sadr pediu que seus seguidores continuem no caminho da jihad - guerra santa - mesmo se for morto. Sons de disparos eram ouvidos ocasionalmente durante o sermão. Acredita-se que al-Sadr esteja na cidade sagrada de Najaf, cerca de 10 km de Kufa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.