Xiita radical promete enfrentar os EUA até a morte

Em sua primeira aparição pública desde o início dos combates entre seus homens e tropas americanas, na semana passada, o clérigo rebelde xiita Muqtada al-Sadr disse que a luta contra as forças americanas só terminará quando o Iraque estiver livre de tropas estrangeiras. "Continuarei lutando", adiantou al-Sadr a repórteres. "Continuarei em Najaf até que seja derramada a última gota de meu sangue".Autoridades do governo iraquiano têm dito que muitos dos envolvidos na violência na cidade sagrada de Najaf são criminosos comuns, e não milicianos do Exército Mahdi grupo armado liderado pelo popular clérigo xiita. Mas al-Sadr garantiu que os combatentes são, sim, seus seguidores, e os descreveu como voluntários lutando por uma causa justa."São ataques honestos contra a ocupação", disse, referindo-se à presença de tropas americanas no país. "Eles... estão vindo para resistir à ocupação, para libertar nosso país". Al-Sadr descartou negociar com as forças dos EUA a retomada de uma trégua, apesar de seus assessores terem repetidamente pedido um novo cessar-fogo."A resistência vai continuar e aumentar dia a dia", previu. "Nossa exigência é o fim da ocupação americana do Iraque. Queremos um país independente, democrático, livre".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.