Xiitas começam a se desarmar, mas atentados continuam

Seguidores do clérigo radical xiita Muqtada al-Sadr começaram hoje a comparecer a delegacias de polícia no distrito de Sadr City, em Bagdá, como parte do programa de desarmamento de rebeldes. As recompensas variam de U$ 5, para uma granada de mão, a US$ 1000, para metralhadoras de grosso calibre. Segundo a polícia, xiitas já entregaram metralhadoras, dinamite, minas terrestres e outros explosivos. Apesar do movimento ainda incipiente, o governo está esperançoso de que o programa possa por fim à revolta na região, de maneira a permitir que as forças americanas e iraquianas se voltem com maior atenção à insurgência sunita, mais extensa. "Até que esse processo seja concluído e até que o governo iraquiano se satisfaça, é muito cedo para caracterizar este programa como um sucesso", alertou James Hutton, tenente-coronel americano. Enquanto isso, em Mosul, um carro-bombo explodiu perto de um comboio americano, matando pelo menos 2 e ferindo 18, segundo testemunhas. As primeiras informações dão conta de que houve baixas entre os militares, mas não foram cedidos mais detalhes. Também hoje, a rede de TV Al-Arabiya exibiu o vídeo de três militantes ameaçando decapitar um refém turco em três dias. Os rebeldes exigem que todos os prisioneiros iraquianos sejam soltos e que todos os turcos deixem o país.

Agencia Estado,

11 Outubro 2004 | 14h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.