Xiitas iraquianos protestam contra repressão no Bahrein

Milhares de manifestantes se reuniram hoje em cidades majoritariamente xiitas em todo o Iraque para protestar contra o que alguns chamam de "ataques sectários" das forças de segurança contra xiitas no Bahrein, que é governado por uma monarquia sunita.

AE, Agência Estado

18 de março de 2011 | 13h09

As manifestações estão entre as maiores realizadas no Iraque desde que a onda de protestos se disseminou, a partir da Tunísia, por todo o Oriente Médio. Líderes iraquianos temem que o levante no Bahrein - que se tornou mais violento depois que forças militares sauditas e de outros países do Golfo Pérsico intervieram para defender a monarquia - possa dar início a disputas entre sunitas e xiitas em toda a região. Além disso, a população iraquiana, majoritariamente xiita, sente-se ligada a seus irmãos no Bahrein e desconfia da poderosa vizinha sunita, a Arábia Saudita.

"Estão ocorrendo verdadeiros massacres no Bahrein", disse o xeque xiita Maitham al-Jamri, que disse ter sido um clérigo no Bahrein, a jornalistas em Sadr City, bairro de Bagdá. "Mas se eles nos cortarem em pedaços e nos queimarem 70 vezes, não interromperemos nossos pedidos por mudanças. Se todos os meios de comunicação estiverem bloqueados no Bahrein, as vozes do povo no Iraque e no Líbano pedindo ''não à injustiça'' poderão ser ouvidas", declarou.

Cerca de 5 mil seguidores do clérigo antiamericano Muqtada al-Sadr participaram de uma manifestação em Sadr City, carregando faixas nas quais prometiam se juntar a seus companheiros xiitas no Bahrein. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.