Yanukovich: Chernobyl é um desafio de magnitude planetária

Presidente ucraniano ressaltou que neste 26 de abril o mundo homenageia os que deram suas vidas na luta contra a radiação

Efe,

26 de abril de 2011 | 05h16

KIEV - O presidente da Ucrânia, Victor Yanukovich, afirmou nesta terça-feira, 26, que a catástrofe nuclear de Chernobyl é um "desafio de magnitude planetária" ao qual só pode haver uma resposta com a comunidade mundial unida, em mensagem à população por ocasião do 25º aniversário da tragédia.

 

"A Ucrânia esteve muito tempo praticamente só frente à tragédia de Chernobyl. Felizmente, hoje não estamos sós", ressaltou o chefe de Estado.

Yanukovich indicou que há um quarto de século existe uma "medida terrível do tempo: antes e depois de Chernobyl".

 

"Antes de 26 de abril de 1986, o mundo tinha uma ilusão de segurança. Depois dessa data, ninguém pode ter garantias de segurança no amanhã. Os eventos na central japonesa 'Fukushima-1' confirmaram esta amarga verdade", ressaltou.

O presidente ucraniano ressaltou que neste 26 de abril o mundo homenageia os que deram suas vidas na luta contra a radiação.

 

"Lembramos os bombeiros, os policiais, os militares, os pilotos, os trabalhadores... Os heróis que nos primeiros dias chegaram a Chernobyl e praticamente com as mãos nuas taparam o reator destruído", assinala a mensagem de Yanukovich, divulgada pelo site da Presidência.

 

Estes homens "salvaram o mundo de uma catástrofe até maior, e estamos agradecidos por isso", acrescentou o presidente ucraniano.

"Me dói que o Estado não possa agradecer-lhes dignamente por sua vitória. Mas faremos todo o possível para aliviar e melhorar suas vidas", ressaltou.

 

O presidente ucraniano indicou que o país está comprometido para que Chernobyl não seja um "fator de medo e instabilidade para o mundo".

Os atos referentes à tragédia de Chernobyl começaram na madrugada desta terça-feira com uma cerimônia religiosa em memória das vítimas da maior catástrofe na história do uso pacífico da energia nuclear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.