Yasemin, viva depois de sete dias sob escombros na Turquia

Exausta, ferida, desnutrida mas viva. Yasemin Yaprakci, de 24 anos, foi retirada dos escombros de um prédio que ruiu em Konya, na Turquia depois de passar sete dias rodeada de corpos mortos, depois que as equipes de resgate foram alertados pelo arranhar de suas unhas contra o concreto estilhaçado.Os bombeiros conseguiram resgatar Yasemin hoje, coberta de pó, do entulho em que se transformou o prédio de apartamentos, depois de passar horas tentando libertar seus pés que estavam presos sob cadáveres. Ela foi carregada numa maca enquanto o pessoal do resgate aplaudia e congratulava-se pelo salvamento. Foi um pequeno momento de vitória. A seguir, o resgate teve de cavar para retirar 13 corpos, elevando para 88 o número de mortos na tragédia, segundo cálculos da agência oficial Anatólia.Yasemin foi encontrada perto da entrada do edifício, onde o pessoal de resgate acredita que cerca de 10 outras pessoas foram esmagadas quando tentavam escapar. Ela estava em estado grave e foi levada por helicóptero para um hospital militar na capital, Ancara.?Suas condições gerais não são nada boas, ela teve hemorragia interna?, disse Riza Saribabicci, diretor clínico do hospital Konya Numune. Segundo ele, Yasemin está com gangrena e tem costelas quebradas. Ela recebeu oxigênio sob os escombros, onde estava rodeada pelo odor dos cadávares em decomposição.?Nós a detectamos com aparelhos eletrônicos e cães farejadores. Enquanto tentávamos alcançá-la, a ouvíamos pedindo ?água?, ?água??, contou Serdar Demirel, oficial do grupo de resgate ao canal de televisão NTV.Uma cadela labrador de resgate, Ledi, foi o primeira a alertar os bombeiros.?Achamos que Ledi encontrara novos corpos, mas ele continuava pulando excitada?, disse o sargento Ergun Ucuncu. Outro bombeiro, Niyazi Ozbek, acrescentou que Yasemin ?ajudou-nos a encontrá-la fazendo barulho com as unhas contra o concreto?. Ainda presa nos escombros, Yasemin conseguiu falar rapidamente com seu marido, Halil, pelo rádio:?Estou bem, não se preocupe?, disse. Ela quis falar com o Halil depois de soube que o marido e a filha, de um ano e meio, Yaprak, haviam se salvado.Ela ainda teve forças para brincar com os bombeiros:?Vou convidar vocês para um chá mas primeiro me tirem daqui?, contou Ozbek.No sábado, os bombeiros haviam retirado um adolescente de 16 anos dos escombros, Muhammet Kalem, depois de seis dias da queda do prédio. No total, 33 pessoas sobreviveram até agora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.