YouTube é liberado na China após 4 dias de bloqueio

Governo chinês havia criticado vídeo que mostrava suspostas agressões policiais a tibetanos

Efe,

27 de março de 2009 | 10h51

O portal de vídeos YouTube voltou a estar acessível na China, após quatro dias de bloqueio, segundo comprovaram hoje internautas em Pequim e em Xangai.

O governo chinês nunca reconheceu ter censurado o portal, mas, durante esta semana, a imprensa oficial e o porta-voz de Assuntos Exteriores lançaram duras críticas contra um vídeo colocado no YouTube mostrando supostas agressões da Polícia chinesa contra tibetanos, nas revoltas em Lhasa do ano passado.

O porta-voz do Ministério de Exteriores, Qin Gang, reagiu duramente a este vídeo, afirmando que o círculo próximo ao dalai-lama "aprendeu técnicas de propaganda de alguns meios de comunicação ocidentais", e afirmou esta mesma semana que o regime comunista "não tem medo da internet".

A China é o país com mais internautas no mundo (300 milhões de usuários), apesar do controle de conteúdos exercido pelo governo e das sanções que alguns cidadãos chineses receberam por escrever ideias contrárias ao regime na rede.

O YouTube, um dos sites mais populares do mundo, já teve problemas de acesso na China no passado: em outubro de 2007, durante o Congresso do Partido Comunista, esteve inacessível durante cerca de duas semanas, algo que, como desta vez, foi duramente criticado por alguns internautas chineses.

Tudo o que sabemos sobre:
Tou TubeChinacensura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.