Zâmbia diz que será capaz de sobreviver sem transgênicos

O governo de Zâmbia afirmou hoje que será capaz de encontrar comida que não tenha sidogeneticamente modificada para alimentar sua população. Cerca de2,5 milhões de zambianos enfrentam a fome, devido a uma crise defalta de comida sem precedentes na história do país. Alegandoriscos de saúde para sua população, Lusaka se negou a receberdoações de milho dos EUA pela suspeita de que o grão sejatransgênico. No início desta semana, o governo estendeu sua proibiçãosobre tais alimentos para os cerca de 130.000 refugiadosangolanos e congoleses que vivem em campos de Zâmbia. "Fizemos apelos para que nenhum alimento modificadogeneticamente chegue ao nosso país", disse W.K. Mulubisha,conselheiro do vice-presidente zambiano, Enock Kavindele, cujoescritório administra a crise de comida. Segundo Mulubisha, o governo de Zâmbia está negociando aaquisição de cerca de 130.000 toneladas de alimentosnão-transgênicos da África do Sul. "Esta comida chegará embreve", garantiu. O Programa Mundial de Alimentação estima que o país precisaráde cerca de 190.000 toneladas de cereais para alimentar suapopulação faminta nos próximos seis meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.