Zapatero anuncia reformas em sua equipe de governo na Espanha

Medidas são necessárias para 'acelerar a recuperação econômica e do emprego'

Efe e Reuters

20 de outubro de 2010 | 09h43

MADRI - O chefe do governo da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, anunciou nesta quarta-feira, 20, uma remodelação da sua equipe de governo, nomeando o ministro do Interior como primeiro vice-presidente - ou número dois no poder - e uma nova chanceler.

 

Segundo Zapatero, a reformulação responde à necessidade "de um esforço renovado para completar as reformas econômicas e sociais em marcha e para acelerar a recuperação econômica e do emprego" na reta final da legislatura. O chefe do Executivo disse ainda que o novo governo pode ser definido como a gestão das reformas, da recuperação econômica e do emprego.

 

Zapatero confirmou as mudança horas antes por fontes do Executivo. O atual ministro do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba, torna-se "número dois" do Executivo, à frente da primeira vice-presidência, cargo no qual substitui María Teresa Fernández de la Vega, que estava no posto desde 2004.

 

Rubalcaba, um veterano socialista, ocupou dois ministérios na etapa do Governo de Felipe González embora não tenha entrado no primeiro Executivo de Zapatero, quem logo após vencer as eleições em março de 2004 o nomeou porta-voz no Congresso dos Deputados.

 

À frente do Ministério do Interior, ao qual chegou no mês de abril de 2006, dirigiu um dos períodos mais efetivos na luta contra o grupo separatista basco ETA, com detenções sucessivas de inúmeros membros da direção do grupo em estreita colaboração com as forças de segurança da França e Portugal.

 

Outra das mudanças importantes é a nomeação de Trinidad Jiménez, atual ministra da Saúde e uma das socialistas mais próximas ao chefe do Executivo, como ministra de Assuntos Exteriores em substituição a Miguel Ángel Moratinos.

 

Jiménez, de 48 anos, tem experiência em política internacional após ter sido por três anos Secretária de Estado para região ibero-americana e anteriormente responsável por esse tema do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE).

 

Outras mudanças

 

Para o Ministério da Saúde, que Trinidad ocupava desde abril de 2009 foi nomeada Leire Pajín, secretária de Organização do PSOE, "número três" socialista, cargo que será ocupado por Marcelino Iglesias, atual presidente regional de Aragón.

 

Ramón Jáuregui, um veterano socialista que atualmente era membro do Parlamento Europeu, foi nomeado ministro da Presidência, o que o reintegra à política nacional.

 

As mudanças afetam ainda os ministérios de Trabalho, no qual Valeriano Gómez ocupará a vaga que era de Celestino Corbacho; Meio Ambiente, Meio Rural e Marinho no qual a ex-dirigente de Esquerda Unida e agora independente Rosa Aguilar substituirá Elena Espinosa.

 

Os Ministérios de Igualdade e de Habitação, criados por Zapatero e considerados dois de suas principais apostas, foram extintos depois de serem alvos de fortes polêmicas.

 

O novo governo de Zapatero perde a paridade ao situar sete mulheres e nove homens, incluído Rodríguez Zapatero, em um total de 15 ministérios. A única que permanece no Governo desde o primeiro Executivo de Zapatero é Elena Salgado, segunda vice-presidente e ministra da Economia.

 

A terceira remodelação que realiza Zapatero em seu governo ocorre a menos de um ano e meio das eleições gerais e em um momento em que as pesquisas colocam bem à frente o opositor Partido Popular nas intenções de voto.

Tudo o que sabemos sobre:
ZapateroEspanhareforma

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.