Zapatero descarta renúncia e antecipação das eleições

O primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, descartou na noite de hojea renúncia e a antecipação das eleições gerais de março de 2012, após o governista Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) ter sofrido uma ampla derrota nas eleições regionais e municipais deste domingo.

ANDRÉ LACHINI, Agência Estado

22 de maio de 2011 | 19h46

O PSOE perdeu o governo de 13 das 18 regiões espanholas onde ocorreram eleições, a maioria para o Partido Popular (PP) de centro-direita. O PP conservou a Prefeitura de Madri e derrotou o PSOE em Sevilha, bastião histórico dos socialistas. Na Catalunha, nacionalistas catalães conquistaram a Prefeitura de Barcelona.

Zapatero afirmou que continuará com o foco em seus planos de reforma econômica para garantir que a Espanha retome o crescimento econômico no futuro. Os socialistas "claramente, perderam as eleições" e essa derrota possui "uma relação muito próxima com a crise econômica", disse Zapatero, em conversa com jornalistas na sede do PSOE, em Madri. Zapatero reafirmou que completará seu mandato, que termina em março do próximo ano. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaeleiçãoZapatero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.