Zapatero diz que cessar-fogo permanente da ETA é "real"

O chefe do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, disse nesta terça-feira que recebeu um segundo relatório do Ministério do Interior sobre o cessar-fogo da ETA, no qual a decisão da organização terrorista basca é considerada real. O cessar-fogo permanente "cobre todos os aspectos, é real", disse Zapatero em entrevista à rádio SER, na qual afirmou que as últimas cartas de extorsão da ETA recebidas por empresários são anteriores ao anúncio de 22 de março. O segundo relatório que o Ministério do Interior apresenta a Zapatero reafirma a interrupção das ações violentas por parte da ETA, grupo armado que assassinou mais de 850 pessoas desde 1968 na tentativa de formar um Estado basco independente e socialista. O presidente do governo acrescentou que, se os próximos relatórios sustentarem que o cessar-fogo é real e crível, comparecerá ao Parlamento para anunciar que o governo "vai manter contato, diálogo com a ETA para o fim da violência". Zapatero assegurou que não há indícios de que possa haver um novo comunicado da ETA e se negou a estabelecer prazos para as negociações. O presidente do governo, do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), acrescentou que os passos serão dados com a certeza de que o processo de paz não recuará e terá o máximo consenso dos partidos. Garantiu que manterá o esforço para obter o apoio do principal líder da oposição, Mariano Rajoy, do Partido Popular (PP), apesar de, na segunda-feira, a legenda ter considerado "preocupante" a atitude do Executivo de minimizar a importância das cartas de extorsão da ETA. Zapatero deu as declarações antes da reunião que teria nesta terça-feira no Palácio da Moncloa (sede do governo) com o porta-voz do Partido Nacionalista Basco (PNV), Josu Erkoreka. O encontro serviria para retomar a rodada de contatos políticos para analisar a nova situação. Zapatero qualificou como "impecável" a atitude do PNV, a principal força do governo regional basco, e atribuiu à legenda um papel essencial no processo, sobretudo quando chegar o momento de abordar a "refundação da convivência" política no País Basco. O chefe do governo espanhol já se reuniu com Rajoy, com o presidente regional do País Basco, Juan José Ibarretxe, do PNV, e com líderes das forças nacionalistas catalãs.

Agencia Estado,

18 Abril 2006 | 09h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.