Zapatero reconhece derrota em pleito na Espanha

Com 90% das urnas apuradas, partido de premiê tem 28% dos votos, contra 38% do PP

AE, Agência Estado

22 de maio de 2011 | 19h08

Impopular no país, Zapatero deposita seu voto ao lado da esposa, em Madri

 

MADRI - O governista Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) marchava para a derrota na noite deste domingo, 22, contados 90% dos votos nas eleições municipais e nos governos semiautônomos de 13 das 18 regiões espanholas, indicavam dados parciais. O Partido Popular (PP), de centro-direita, tinha 38% dos votos, enquanto os socialistas estavam com 28%. Isso significa uma diferença de 2 milhões de votos a favor do PP.

 

Veja também:

linkProtestos serão mantidos por pelo menos mais uma semana

linkPaís realiza eleições em clima de insatisfação

linkPartido de Zapatero deve sofrer dura derrota

 

Os socialistas perderam a Prefeitura de Barcelona para a direita, que não governava a metrópole catalã desde o final da ditadura franquista em 1975. O PP liderava por pequena margem em Sevilha. Os socialistas já davam como perdida, na noite de hoje, a região de Castilla La Mancha, onde o PP conseguiu eleger 28 deputados estaduais, ante 21 do PSOE. Dados parciais indicam que o PSOE perdeu o governo em todas as 13 regiões em disputa, o que fortalecerá o PP para as eleições gerais de 2012.

 

Em Castilla y León, a região do primeiro-ministro José Luiz Rodríguez Zapatero, o PP teria eleito 55 deputados, enquanto o PSOE elegeu 29. Frente aos resultados desastrosos, Zapatero convocou uma reunião de emergência na sede do PSOE em Madri, ainda para a noite de hoje. Antes, ele deu uma declaração na qual reconheceu a derrota e culpou a crise econômica pela derrota do PSOE nas urnas. Zapatero disse que não renunciará e concluirá seu mandato.

 

"É evidente que o resultado dessas eleições está diretamente ligado à crise econômica e seus efeitos sobre a sociedade espanhola", disse Elena Valenciano, secretária do PSOE. "Os primeiros dados que chegam da contagem dos votos indicam que não será uma boa noite para o PSOE", ela afirmou.

 

Com desemprego superior a 21% da força de trabalho e uma recessão que já dura mais de três anos, a Espanha enfrentou também hoje protestos de milhares de jovens que foram às ruas e praças de Madri, Barcelona, Sevilha e Valência, protestando contra o governo e a crise e pedindo ao eleitorado que não comparecesse às urnas. A participação nas eleições, contudo, parece ter se mantido nos mesmos níveis das eleições de 2008, ao redor de 40% do eleitorado.

 

As informações são da AP e da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaeleiçãoZapatero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.