Zawahiri pede que palestinos rejeitem o plebiscito de Abbas

O terrorista egípcio Ayman al-Zawahiri, considerado o "número dois" da Al-Qaeda, pediu que os palestinos rejeitem o plebiscito que o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, deve convocar no fim de semana e que poderia representar um reconhecimento implícito do direito do Estado de Israel de existir.Em vídeo divulgado nesta sexta-feira pela rede de TV catariana Al-Jazira, Zawahiri, que apareceu diante de um fundo negro e com um fuzil "kalashnikov" apoiado atrás, criticou os líderes árabes e muçulmanos por não apoiarem os palestinos nos "duros momentos pelos que estes estão passando"."Peço aos muçulmanos de todo o mundo que ajudem seus irmãos palestinos que sofrem um assédio. A ajuda deve ir primeiro aos mujahedins (guerreiros santos) palestinos e depois às famílias dos mártires", disse Zawahiri."Peço a todos os muçulmanos que rejeitem o plebiscito. A Palestina não pode ser negociada, sua libertação é uma tarefa islâmica que envolve todos os muçulmanos", disse.O terrorista egípcio, que apareceu vestido de branco e com um turbante da mesma cor, acrescentou que "os líderes árabes nem sequer se atrevem a satisfazer as necessidades de ajuda de um único palestino porque as ordens que recebem de Washington pedem que imponham um bloqueio".O "número dois" da Al-Qaeda referia-se à crise que os territórios palestinos vivem desde a posse do governo do Hamas, devido à decisão dos EUA e a União Européia (UE) de bloquear a ajuda financeira até que o movimento islâmico reconheça Israel e renuncie à violência.O governo palestino do Hamas, dirigido pelo primeiro-ministro Ismail Hanieyeh, rejeitou a proposta de Abbas e pediu que continuem as conversas para encontrar uma saída para a crise.Zawahiri também se referiu ao confronto entre o presidente do Egito, Hosni Mubarak, e os juízes do país, que exigem independência, e disse que os magistrados não atingirão seu objetivo "enquanto este regime estiver no poder"."Falo aos juízes e lhes digo que não conseguirão o que querem porque a América (EUA) e Israel não querem que eles conquistem seus direitos", afirmou."Vocês não conquistarão a sua independência porque a existência do regime (egípcio) faz parte do problema que vocês enfrentam", disse Zawahiri. "Magistrados, vocês não conquistarão a sua independência sem expulsar os invasores e destronar os tiranos", completou.Zawahiri também se dirigiu a Omar Hassan Ahmad al-Bashir, presidente do Sudão, e o acusou de se submeter às resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre a região de Darfur, no oeste do país."O Conselho de Segurança (da ONU) está em uma campanha para dividir o Sudão. O que acontece em Darfur faz parte do plano sionista-americano", garantiu.A rede de TV não deu detalhes sobre como ou quando obteve a gravação do líder terrorista, mas os comentários elogiosos de Zawahiri sobre Abu Musab al-Zarqawi mostram que ela é anterior à morte deste, divulgada nesta quinta-feira."Deus cuida de Abu Musab al-Zarqawi e de seu Conselho Mujahedin", disse Zawahiri em referência à associação, anunciada no ano passado, de vários grupos iraquianos para coordenar suas operações contra a ocupação do Iraque.Matéria atualizada às 11h20

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.