Zelador condenado pela morte de duas meninas britânicas

O ex-zelador escolar Ian Huntley foi condenado à pena de prisão perpétua pelo assassinato das meninas britânicas Holly Wells e Jessica Chapman, que chocou a Grã-Bretanha em meados do ano passado. O corpo de jurados rejeitou a alegação de Huntley, de que ele havia matado acidentalmente as meninas depois de convidá-las para entrar em sua casa para tratar de Holly, que, segundo o réu, estava com o nariz sangrando."Você assassinou ambas, você era a única pessoa que sabia como elas foram assassinadas", disse o juiz Alan Moses a Huntley, ao sentenciá-lo. "Suas lágrimas nunca foram derramadas para elas, mas apenas para você. Em suas mentiras e manipulações até este dia, você aumentou o sofrimento causado às duas famílias."A ex-namorada de Huntley, Maxine Carr, de 26 anos, foi inocentada da acusação de colaboração para assassinato, mas foi considerada culpada por conspirar com Huntley para obstruir a Justiça. O caso dominou a imprensa britânica por várias semanas, depois que Holly e Jessica desapareceram da tranqüila vila de Soham, no leste da Inglaterra, em 4 de agosto de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.