Zelaya acusa Lobo de violar Acordo de Cartagena

Ex-presidente disse que exige que o governo de Lobo 'detenha e resolva esta escalada de perseguição'

Agência Estado

16 de junho de 2011 | 11h01

TEGUCIGALPA - O ex-presidente de Honduras Manuel Zelaya acusou nesta quinta-feira, 16, o governo do presidente Porfirio Lobo de violar o Acordo de Cartagena das Índias que permitiu o retorno dele ao país, em razão de um juiz ter decretado a prisão domiciliar de um de seus principais colaboradores por suposta corrupção.

O ex-líder, que esteve exilado na República Dominicana, pediu a seus partidários agrupados na Frente Nacional de Resistência Popular (FNRP) que estejam prontos para a convocação de uma mobilização para respaldar "nosso companheiro afetado". Zelaya disse, em e-mail enviado à Associated Press, que seu grupo político exige que o governo de Lobo "detenha e resolva esta escalada de perseguição".

Ontem, um juiz determinou a prisão domiciliar do ex-ministro da Presidência (Casa Civil) Enrique Flores. Além disso, determinou que ele deve pagar em 30 dias uma fiança de US$ 1,4 milhão. Flores, que se refugiu na Nicarágua após o golpe de Estado de junho de 2009 que depôs Zelaya, retornou a Tegucigalpa em 28 de maio, no mesmo avião que trouxe Zelaya do exílio.

O Acordo de Cartagena foi formado pelos dois políticos e pelos governo de Colômbia e Venezuela. Depois disso, os tribunais suspenderam as ordens de prisão contra o ex-presidente e sua equipe. O pacto permitiu que a Organização dos Estados Americanos (OEA) readmitisse Honduras, suspensa pelo golpe.

Lobo ainda não se pronunciou sobre o caso. Flores tinha contra si quatro ordens de prisão apresentadas pela promotoria em 2010, que o acusa de desviar cerca de US$ 5 milhões quando era ministro. Zelaya quer convocar uma Assembleia Constituinte para mudar a Carta hondurenha - esse desejo dele foi uma das principais razões dadas pelos militares para aplicar o golpe de 2009. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.