Zelaya acusa polícia de usar gás contra embaixada

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, alertou hoje que gases nocivos estão sendo bombeados para o interior da Embaixada do Brasil, onde ele está refugiado, e pediu ajuda da Cruz Vermelha. "Temos aqui cerca de 60 pessoas que estão tentando respirar no pátio. Há pessoas que estão vomitando sangue. O gás tóxico está se espalhando", disse Zelaya à agência "France Presse" por telefone. Segundo Zelaya, o "gás tóxico está sendo usado pelos militares para forçar nossa saída" da embaixada.

AE, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 16h23

"Nós exigimos que organizações de proteção, como a Cruz Vermelha internacional, intervenham imediatamente", disse Zelaya. "Eu tenho uma máscara e minha garganta está seca".

Um fotógrafo da "France Presse" que está dentro da embaixada disse que viu pessoas passarem mal, mas que não se sabe o que as deixou doentes.

Um porta-voz policial negou o uso de gás. "Esta é uma das declarações falsas para a comunidade internacional. Não vejo como poderíamos espalhar produtos químicos. É uma estratégia que está sendo usada para atrair atenção no exato momento em que o Conselho de Segurança está reunido", disse o porta-voz.

Nas Nações Unidas, o Conselho de Segurança pediu que o governo interino de Roberto Micheletti "pare de molestar" a Embaixada Brasileira. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasgolpeManuel Zelayaembaixada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.