Zelaya estende ultimato e negociação prosseguirá hoje

Apesar de ter expirado ontem o ultimato do presidente deposto, Manuel Zelaya, para o fim da crise em Honduras, as conversas em busca de uma saída para o impasse no país prosseguirão hoje. Um dos negociadores de Zelaya, Víctor Meza, disse que o adiamento ocorreu a pedido dos negociadores do governo de facto, liderado por Roberto Micheletti, a fim de que se pudesse "conhecer a proposta definitiva da parte do senhor Micheletti".

AE-AP, Agencia Estado

16 de outubro de 2009 | 10h27

Meza afirmou que o adiamento ocorreu para "dar mais uma oportunidade ao diálogo, à concertação, que é conceder uma oportunidade à paz". "Temos quase a convicção de que estamos a ponto de lograr um acordo definitivo que nos permita encontrar uma saída para essa crise."

Zelaya foi deposto em um golpe militar em 28 de junho e expulso do país. Ele voltou no dia 21 de setembro e, desde então, está abrigado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. A Frente Nacional de Resistência (FNR) contra o golpe de estado emitiu um comunicado anunciando que qualquer acordo que não inclua a volta de Zelaya será rechaçado. O grupo também pediu a revogação de um decreto que suspende direitos constitucionais.

Tudo o que sabemos sobre:
Hondurascriseultimatonegociação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.