Zelaya: 'Lutar pela democracia não deveria ser crime'

O presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, afirmou que "lutar pela democracia não deveria ser um crime". Em entrevista a um repórter da "France Presse" na noite de ontem, ele disse que é preciso união entre os hondurenhos "a fim de se chegar à paz". Zelaya está desde a segunda-feira abrigado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, capital do país.

AE, Agencia Estado

23 de setembro de 2009 | 13h23

A representação diplomática foi cercada na segunda-feira por policiais e soldados, que expulsaram os partidários do presidente deposto concentrados na área. As forças oficiais, porém, já disseram que não vão invadir o local. Zelaya está na embaixada junto com a mulher, Xiomara Castro, e filho Jose Manuel, além de vários partidários. Em 28 de junho, ele foi deposto em um golpe militar e expulso do país.

O governo de facto, do presidente Roberto Micheletti, fez hoje uma oferta de diálogo para resolver a crise. Porém ressaltou que é preciso que Zelaya descarte voltar ao poder. Micheletti disse que o presidente deposto deve aceitar as eleições que o país realizará em 29 de novembro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurascriseZelayademocracia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.