Zelaya pode voltar a Honduras este mês, diz assessor

O presidente deposto de Honduras Manuel Zelaya pode retornar a Tegucigalpa entre os dias 27 e 29, caso o governo do país assine nesta semana um acordo de mediação defendido por Venezuela e Colômbia, garantiu hoje seu assessor legal na capital hondurenha, Rasel Tomé.

AE, Agência Estado

17 de maio de 2011 | 11h30

"Uma multidão de seus partidários o receberá no aeroporto internacional de Tegucigalpa", previu Tomé. Segundo ele, "tudo será possível se Lobo assinar o Acordo de Cartagena das Índias". O assessor se referia a uma reunião celebrada no fim de abril na cidade colombiana, entre o presidente hondurenho, Porfirio Lobo, e seus colegas da Venezuela, Hugo Chávez, e da Colômbia, Juan Manuel Santos.

Chávez está entre os líderes sul-americanos que resistem a reconhecer a legitimidade do governo de Lobo e se opõem ao retorno do país à Organização dos Estados Americanos (OEA) antes da resolução do problema. Outros países com postura similar são Brasil, Bolívia, Argentina e Equador.

Os três governantes decidiram, porém, facilitar o retorno de Zelaya a Tegucigalpa, como passo prévio para que Honduras se reincorpore à OEA. O ex-presidente vive atualmente na República Dominicana. A aliança regional suspendeu o país após o golpe de Estado contra Zelaya, em junho de 2009.

Tomé afirmou que o Acordo de Cartagena contempla quatro pontos: o fim da perseguição a Zelaya e seus partidários e o retorno seguro do político ao país; garantias para se convocar um processo constituinte; respeito aos direitos humanos e a investigação de possíveis violações; e garantias para que os partidários de Zelaya participem da vida política e das eleições de 2014 como partido político.

A readmissão de Honduras na OEA pode ocorrer antes da Assembleia Geral da entidade, marcada para 5 de junho, em El Salvador. A Corte Suprema de Justiça do país suspendeu os processos por corrupção contra Zelaya, abertos pela promotoria há quase dois anos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ZelayaHonduraspolíticaretorno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.