Zelaya recua após cruzar fronteira

Presidente deposto volta brevemente a Honduras por terra; governo de facto não cumpre ameaça de prendê-lo

Roberto Lameirinhas, O Estadao de S.Paulo

25 de julho de 2009 | 00h00

Em um dos dias mais tensos desde o golpe do dia 28 em Honduras, o presidente deposto Manuel Zelaya retornou brevemente a seu país, entrando por alguns metros no território hondurenho pouco mais de meia hora antes de retornar para o lado nicaraguense da fronteira. Após permanecer mais de oito horas no posto fronteiriço tentando negociar com a cúpula militar hondurenha para que o deixasse passar como presidente "legítimo" Zelaya, seus seguidores e jornalistas partiram às 20h35 locais (23h35 em Brasília) para a cidade nicaraguense de Ocotal, onde passariam a noite. Um assessor disse que Zelaya poderia tentar voltar hoje novamente.O presidente do governo de facto, Roberto Micheletti, disse que a breve entrada de Zelaya foi um "ato irresponsável" que pôs a vida dos outros em risco e reiterou que ele será preso se voltar a Honduras. Ele também acusou Zelaya de ter tirado US$ 2,6 mil do Banco Nacional.A passagem, no posto fronteiriço de Las Manos, teve lances dramáticos, entre os quais uma negociação entre Zelaya e o comandante do destacamento militar da região - ao qual ele se apresentou como "presidente constitucional de Honduras e comandante-chefe do Exército", exigindo que permitisse sua entrada no país. "Ponha-me em contato com seus comandantes", disse Zelaya ao oficial. "Quero dizer a eles que estou aqui e precisamos trazer de volta a paz para a família hondurenha." Aparentemente para evitar o confronto com a multidão de seguidores que aguardava Zelaya do lado hondurenho, o oficial evitou dar voz de prisão ao presidente deposto. Segundo testemunhas, o comandante recebeu a ordem para não deter Zelaya imediatamente por meio de um telefonema do chefe do Estado-Maior do Exército, general Romeo Vásquez, que retirou o presidente de sua casa na madrugada do dia 28 e o colocou num avião para a Costa Rica.Eleito em 2005 e aliado de última hora do líder venezuelano, Hugo Chávez, ele é acusado de violar a Constituição hondurenha ao tentar realizar uma consulta popular para reformar a Carta, o que, entre outras coisas, abriria caminho para que ele voltasse a se eleger. Micheletti argumenta que a destituição de Zelaya não se tratou de golpe, pois a violação da Constituição causou a perda do cargo.A chancelaria do governo de facto disse que "deplora" que Zelaya "abandone a mediação, declarando-a fracassada, e recorra ao uso da força". A vice-chanceler Martha Alvarado declarou que o governo Micheletti continua comprometido com as negociações e o Congresso se reunirá na terça-feira para discutir a proposta do presidente costa-riquenho, Oscar Arias, para pôr fim à crise. Zelaya havia tentado voltar ao país, em um avião venezuelano, no dia 5. Mas a tentativa foi repelida pelo Exército, que bloqueou a pista do aeroporto de Tegucigalpa.Ainda antes de cruzar a fronteira, Zelaya recebeu telefonemas dos presidentes do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva e do Paraguai, Fernando Lugo, que lhe desejaram "sorte" em seu retorno (mais informações na página A14). Acompanhado do ex-líder sandinista e político nicaraguense Éden Pastora, Zelaya disse que respeitava a recomendação do Departamento de Estado dos EUA para que não retornasse ao país, mas afirmou que não poderia segui-la. "Tenho o direito e o dever moral de voltar ao meu país", disse. Zelaya deve viajar para Washington na terça-feira, onde se reunirá com a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton.Uma multidão de partidários de Zelaya começou a se dirigir para a fronteira com a Nicarágua pela manhã, causando o temor de que a situação se degenerasse em violência na região. Para evitar a concentração de militantes, o governo de facto enviou para as cidades de El Paraíso e Las Manos mais de 10 mil militares. A Carretera Oriental, rodovia que liga Honduras à Nicarágua, foi bloqueada em 18 pontos pelos militares.O governo de facto estendeu o toque de recolher na zona de fronteira, que passou vigorar a partir do meio-dia. No restante do país a proibição se manteria da meia-noite às 6 horas. Zelaya exortou seus seguidores a desacatar o toque de recolher.Um confronto com a polícia em El Paraiso deixou dois feridos. O Exército repeliu as tentativas dos manifestantes de romper os bloqueios com gás lacrimogêneo.Ao mesmo tempo em que Zelaya cruzava a fronteira, outra multidão, agora pró-Micheletti, realizava uma gigantesca manifestação na cidade de San Pedro Sula."Estamos diante de um quadro de fratura social que há muito tempo não se via em Honduras", disse ao Estado o professor da Universidade Autônoma Javier Valente. "Se esse processo de ódio político não for interrompido logo, as cicatrizes dessa fratura podem levar anos para desaparecer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.