Zelaya terá ordem de prisão em Honduras, diz policial

"Quando Zelaya voltar a Honduras, teremos que executar a ordem de prisão", disse a porta-voz da polícia nacional Lorena Calix. Uma caravana com o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, partirá hoje da capital da Nicarágua em uma nova tentativa de regressar ao país. O presidente interino de Honduras, Roberto Micheletti, disse que prenderá Zelaya se ele voltar a Honduras. Zelaya esclareceu que não planeja voltar imediatamente a Honduras. "Acredito que estaremos na fronteira no sábado ou no domingo, porque iremos devagar, para chegar com um forte contingente de hondurenhos ao nosso lado", disse.

AE-AP, Agencia Estado

23 de julho de 2009 | 18h15

A Suprema Corte de Honduras ordenou a prisão de Zelaya antes do golpe do dia 28, acusando o então mandatário no cargo de querer aprovar um referendo que se vitorioso permitiria a reeleição de políticos aos cargos públicos, o que segundo os magistrados violaria a Constituição do país. Se detido, Zelaya enfrentará quatro acusações, de violar ordens do governo, traição, abuso e usurpação do poder. As acusações podem render 43 anos de cadeia.

Após tomar conhecimento na noite de quarta-feira sobre o fracasso da mediação do presidente de Costa Rica, Oscar Arias, que tentava restituí-lo ao cargo, Zelaya anunciou sua volta a Honduras acompanhado por sua esposa, filhos, um grupo de aliados políticos e jornalistas. Esta é a segunda tentativa de Zelaya voltar a Honduras.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasgolpeManuel Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.