Sergei Supinsky/AFP
Sergei Supinsky/AFP

Zelenski diz em apelo dramático à Rússia que Ucrânia quer paz

Embora reconhecendo que os russos provavelmente não ouviriam suas palavras, o presidente insistiu que a Ucrânia não tinha queixas contra a Rússia

The New York Times, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2022 | 22h07

KIEV - Com a Rússia aparentemente pronta para invadir e dominar seu país, o presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, fez um dramático apelo na televisão para evitar a guerra, pedindo diretamente ao povo russo e à história e cultura compartilhadas de suas nações. A pedido dele, o Conselho de Segurança da ONU se reúne na noite desta quarta-feira e os líderes do grupo dos sete países mais ricos do mundo, o G-7, devem manter um encontro virtual na quinta-feira, 24. 

"O povo ucraniano quer paz", disse o presidente, depois da zero hora de quinta-feira em Kiev (noite de quarta-feira em Brasília). “O governo da Ucrânia quer a paz e está fazendo todo o possível para construí-la."

Embora reconhecendo que os russos, cujo acesso a notícias é rigidamente controlado, provavelmente não ouviriam suas palavras, Zelenski insistiu que a Ucrânia não tinha queixas contra a Rússia e não significava nenhum dano aos russos, contestando a imagem de seu país pintada pelo governo russo e as notícias dos meios de comunicação.

Segundo ele, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, havia aprovado uma invasão. “Qualquer faísca,” ele disse, “poderia queimar tudo". "Dizem-lhe que esta chama libertará o povo da Ucrânia, mas o povo ucraniano está livre.”

Foi, ao todo, uma tentativa apaixonada de salvar seu país – proferida em russo, sua língua nativa.

"Dizem que somos nazistas", disse Zelenski, cuja origem é judaica. “Mas pode um povo apoiar os nazistas que deram mais de 8 milhões de vidas pela vitória sobre o nazismo? Como posso ser nazista? Diga ao meu avô, que passou por toda a guerra na infantaria do Exército soviético e morreu como coronel na Ucrânia independente.”

Para Entender

Entenda a crise entre Rússia e Otan na Ucrânia

O que começou como uma troca de acusações, em novembro do ano passado, evoluiu para uma crise internacional com mobilização de tropas e de esforços diplomáticos

Ele abordou a alegação de Putin de que a Ucrânia é um país falso, por direito, parte da Rússia. “Vizinhos sempre enriquecem culturalmente uns aos outros”, disse Zelenski. “No entanto, isso não os torna um único todo. Somos diferentes, mas isso não é motivo para sermos inimigos. Queremos determinar, construir nosso futuro nós mesmos, de forma pacífica, calma e honesta.”

Ele disse que tentou ligar para Putin, mas que "o resultado foi o silêncio".

Uma invasão russa da Ucrânia, disse ele, “deve ser interrompida antes que seja tarde demais”. Se a guerra vai acontecer, ele disse, “depende apenas de vocês – os cidadãos da Federação Russa”.

O governo da Ucrânia também denunciou um ciberataque em grande escala contra sites do governo, do Ministério das Relações Exteriores e do serviço de segurança estatal da Ucrânia. Autoridades ucranianas disseram nesta semana que viram avisos online de que hackers estavam se preparando para lançar grandes ataques contra agências governamentais, bancos e o setor de defesa. A Ucrânia sofreu uma série de ataques cibernéticos que Kiev atribuiu à Rússia. Moscou nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.